♫♫ Ouça o Micellipodcast! ♫♫

♫ Micelli on Blip FM ♫

quinta-feira, 25 de junho de 2009

O Anjo Negro


por Sylvio Micelli

Gostar ou não de Michael Jackson é uma opção do arbítrio de cada um. Como já disse Nelson Rodrigues, outro gênio, "toda unanimidade é burra". Desconhecer ou minimizar sua importância, porém, é impossível. Há mais de 40 anos ele esteve aí, entre nós - pobres mortais - fazendo sucesso em cima de sucesso: do menino prodígio à frente do Jackson Five ao maior artista pop de todos os tempos. O que entendo ser mais curioso é que Jackson não planejou seu sucesso como algo datado. Era tudo comum para ele, simples assim, desde cantar "ABC" à superprodução de
Thriller, o disco mais vendido da história.

Qualquer adjetivo, por mais superlativo que seja, não consegue designar o homem que dividiu o pop americano e mundial em duas fases distintas: o antes e o depois. Dançarino como poucos, dedicado e perfeccionista ao extremo, criou videoclipes que mais se assemelhavam a curtas-metragens. Seus shows eram uma aula de mainstream elevada à enésima potência. Fez do rhythm and blues, hip hop, soul, funk e rap, sonoridades aceitas em todo o planeta e jogou o racismo nojento, que a hipocrisia humana diz não existir, para escanteio. Lembremos de "Black or White"... "It Don't Matter If You're Black Or White"!


Há pessoas que o criticarão no campo pessoal. Uma infância pobre e sofrida, plásticas de gosto duvidoso, relacionamentos complicados, acusações sexuais, enfim, pautas e mais pautas que fizeram a alegria dos fofoqueiros de plantão.


Jackson para mim é um anjo negro. Veio à Terra dar-nos um pouco de sua genialidade. Viveu o céu e o inferno como Dante já nos ensinou. Fez da vida terrena um grande palco e teve a coragem de expor suas vísceras em público. Tudo para ele foi um grande truque. E quando se preparava para uma grande turnê mundial fez um Moonwalk e saiu de cena.

4 comentários:

QUEIROZ disse...

Falou tudo. Aliais assim com Bob Dylan, não é possível definir Michael Jackson numa só palavra.

Carlos Neder disse...

Belo texto, meu amigo! E à altura do artista e do fenômeno que ele foi. Abraços, Neder

Márcia Guimarães disse...

Bravo !
Ontem a noite ao saber, fiquei triste e só !
Mas agora lendo o que você escreveu, eu chorei !
Porque tudoo que você escreveu, é verdade !

Abs,
Márcia Guimarães

Ana Paula Niederauer disse...

Oi Sílvio, td bem?
posso publicar o seu texto no meu blog?

bjo



Ana Paula Niederauer