♫♫ Ouça o Micellipodcast! ♫♫

♫ Micelli on Blip FM ♫

domingo, 7 de dezembro de 2008

A luta das ruas e o traidor invisível

por Sylvio Micelli

Participei do ato unificado em defesa do funcionalismo, que aconteceu na Paulista. Um bom ato, por sinal, mesmo com as infiltrações político-partidárias e sindicais de praxe. Mas é bom ouvir, mesmo que isso soe datado, o clamor das ruas. Estiveram lá, cerca de 6 mil pessoas ou outros milhares de acordo com jornais e polícia militar, números que jamais serão consenso.

É vergonhoso, e que isso fique bem claro, que um Governador de Estado conceda índices de reposição salarial, sem ouvir ninguém. Um comportamento descricionário, quase de caserna. Quase ditatorial. Mas como ainda respiramos uma democracia fomos às ruas reivindicar aquilo que o servidor público deve ter por direito. Data-base, reposição salarial, tratamento igualitário entre ativos, aposentados e pensionistas, atendimento médico decente pelo Iamspe (Instituto de Assistência Médica ao Servidor) e as mínimas condições de trabalho.

Fomos às ruas, também, lutar por aquilo que a sociedade tem de direito. Uma prestação digna de serviços públicos por meio de seus agentes, os servidores. Uma sociedade que paga caro e não tem. Também fomos às ruas criticar a subserviência, qualquer que seja ela, em relação ao Poder Executivo e que, lamentavelmente se vê no Legislativo e no Judiciário. Claro que refiro-me aos mandatários do poder e não aos seus funcionários, na grande maioria, lutadores incansáveis como este pseudo-cronista.

Oxalá, consigamos recuperar a dignidade de ser servidor público. E que amenizando vaidades e idiossincrasias possamos, de fato, formarmos um grupo coeso contra os desmandos dos chefes de poder.

Mas voltemos à Brasília. Mais uma semana. E tudo continua no mesmo pé. Nada se faz no Brasil. O ministro Palocci foi bastante articulado contras as acusações de Rogério Buratti, mas ninguém pensava que Zé Dirrrrrrrrrceu ía cair e caiu. As revistas que saíram do forno nas últimas horas, não trouxeram nenhuma novidade. E ainda fui obrigado a engolir a capa "Omo" da Veja criticando o marketing político. Logo a Veja que ajudou a eleger muita gente ao longo de sua história.

Mas com a quebra de sigilo dos fundos de pensão... sai de baixo! Muitas coisas podem acontecer... A última semana do mês do desgosto promete!

Enquanto o Congresso arde, mas azeda o leite pelo excesso de CPIs e depoimentos intermináveis e repetitivos, Lula começou seu rameirão. Trôpego e baqueado viaja pelo país. Se diz traído mas oculta o sujeito. Traído por quem, companheiro? Pelo seu ministro da Casa Civil que "nasceu prepotente" como disse a Deputada Zulaiê? Ou foi traído pelas delícias do poder? Quem sabe voltaram as forças ocultas de Jânio.

Como língua não tem osso, ele perpetuou mais um pérola ao afirmar que não seria Vargas, Jânio ou Jango. Preferiu comparar-se à JK, o presidente populista dos "50 anos em cinco". Grande realizador de obras e, em que pese a discussão, o "pai" de Brasília.

Tudo bem, Luiz Inácio. Vargas se matou (ou não...). Jânio renunciou (covarde ou valente por largar o poder??), Jango bateu em retirada. Mas a sua história não se compara a nenhum dos três. Aliás. Nenhum dos quatro. Menos, Lula! Não confunda o Lula sindicalista com o político. Coloque os pés no chão e pare de montar circo em Garanhuns ou no Ceará para dizer que tudo está bem. Não, não está! O chamado Campo Majoritário não se acerta nem para as eleições internas do PT. O que dizer, então, de governar o país?

O que percebo é uma espécie de letargia generalizada. O Congresso está parado. O governo está parado. O país, anestesiado. E o povão asfixiado.

O pior é a falta de nomes. Em quem votar em 2006? Naqueles ou nesses que estão bem próximos daqueles?

Eis uma dúvida que precisaremos responder em breve. Pena que 2006 tem Copa do Mundo e tudo poderá se repetir.

Texto originalmente escrito em 26/08/2005

5 comentários:

Maria Clara Paes Tobo disse...

Muito bom o seu texto, Micelli

Bom domingo

Maria Clara do Sindicato Apase

Suzana Jardim disse...

Olá Sylvio!
é um prazer receber com tanto especial carinho este artigo seu!
O PNOB é um fanzine idealizado e batalhado cada uma das 24 edições já publicadas.

Devido à ditadra branca e à falta de coesão do brasileiro, resolvi tomar parte da qualidade de liberdade de expressão que tanto foi defendida por " pretensos anarquistas"... e foi desta forma que sempre a coesão foi imunizada...

No PNOB tomei algumas medidas de ser apartidária e compartilhar do pensamento, mesmo que banal, mas aculturando o exercício da ação com minhas pequenas ferramentas...

Não sou jornalista, criando inclusive o termo jornalouca para me definir. Não colocamos acusações, nem partidarismo, tampouco denúncias, mas desabafos de pessoas.

Compartilhamento de privilégios que, devagar, vai lapidando o exercício do pensar, valores, condutas, éticas, sorrisos, seguranças, olho no olho, se ver e encontrar-se junto, sem ser "para dançar e comer"

Dia "32" será um dia único como ampliação. Mais um dia que quem saiba algo irá acontecer como chave de ouro da tal semana do desgosto à qual vc citou...

Senti isto ao ler o que escreveste.
E assim, sinergeticamente, nasce cada movimento nosso.

Seja bem vindo, e gostaria de sua permissão para começarmos a brincadeira com vc junto.

Selecionei este pequeno trecho, sutil e objetivo... Vc me autoriza??? Ou acha que vale acrescentar??? veja:

"O que percebo é uma espécie de letargia generalizada. O Congresso está parado. O governo está parado. O país, anestesiado. E o povão asfixiado.

O pior é a falta de nomes. Em quem votar em 2006? Naqueles ou nesses que estão bem próximos daqueles?

Eis uma dúvida que precisaremos responder em breve. Pena que 2006 tem Copa do Mundo e tudo poderá se repetir.

A última semana do mês do desgosto promete.

Me dá o ok que estou inserindo no PNOB a ser lançado no dia 32 (um dia após o dia 31... na quinta-feira!

Suzana Jardim
"Jornalouca"
http://www.pnob.com.br
Pensando NO Brasil Preto NO Branco

Maria Teresa Miceli Kerbauy disse...

Você continua firme no seu blog.
Acho que todo mundo tem que dar sua opinião. Nada do silêncio da Marilena Chaui.

Um abraço Teresa

Laura Benevides disse...

Sylvio,

Você enviou ontem o endereço do teu blog e flog para o e-mail da agência do Movimento Viva Brasil e eu, em um momento raro de folga, acessei!

Achei muitíssimo legais, você escreve muito bem e suas imagens são interessantes, bem sacadas, bem feitas, interessantes. Parabéns pela iniciativa e pela originalidade.

Tentarei lembrar de acessar seus endereços sempre, quando tiver um tempinho.

Grande beijo, obrigada.

Laura Benevides

Mirella Massolo disse...

Bom dia amigo, é sempre interesante começar a semana com seus textos ...
Super bj Mi